sábado, 18 de maio de 2024

IBGE retoma o uso do termo Favela nas pesquisas e no Censo

Durante esta semana o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que vai retomar o uso do termo “Favela” antes definido em seus estudos e pesquisas como está “Aglomerados Subnormais”.

Agora, um arranjo de paredes, lajes e tetos que é único no mundo, criado espontaneamente por brasileiros, muitos brasileiros, que vivem em mais de 5 milhões de domicílios nas favelas, segundo o IBGE, será denominado de “Favelas e Comunidades Urbanas”.

“Aglomerados Subnormais” era utilizado pelo Instituto em seus censos e pesquisas desde 1991. O termo “Favela” está sendo retomado pelo Instituto, já que era utilizado historicamente pelo órgão desde 1950, mas significando algo precário, transitório. Agora junto ao termo “Comunidades Urbanas”, de acordo com identificações mais recentes.

O IBGE destacou que a nova denominação, que foi discutida amplamente pelo instituto com movimentos sociais, comunidade acadêmica e diversos órgãos governamentais.

O órgão ainda informou que não houve alteração no conteúdo dos critérios que estruturam a identificação e o mapeamento dessas áreas e que orientaram a coleta do Censo Demográfico 2022. Trata-se da adoção de um novo nome e da reescrita dos critérios, refletindo uma nova abordagem do instituto sobre o tema.

“A divulgação dos resultados do Censo 2022 será realizada, no segundo semestre, de forma condizente com os critérios utilizados para a identificação, o mapeamento e a coleta censitária. A nova nomenclatura foi escolhida a partir de estudos técnicos e de consultas a diversos segmentos sociais, visando garantir que a divulgação dos resultados do Censo 2022 seja realizada a partir da perspectiva dos direitos constitucionais fundamentais da população à cidade”, diz Cayo de Oliveira Franco, Coordenador de Geografia da Diretoria de Geociências do IBGE.

De acordo com as projeções da ONU-Habitat 2022, cerca de um bilhão de pessoas vivem atualmente em favelas e assentamentos informais, em todo o mundo. Esse número pode estar subestimado, frente às dificuldades de captação dos dados em diversos países e à dinamicidade de formação e dispersão desses territórios.

Segundo a ONU-Habitat, em 2021, cerca de 56% da população do planeta vivia em áreas urbanas, e essa taxa deve subir para 68% em 2050.

No campo das estatísticas internacionais a respeito das favelas e comunidades urbanas, desde o início do século XXI, um conjunto de esforços, coordenados principalmente pela ONU-Habitat, tem se voltado para a construção de nomenclaturas e parâmetros operacionais globais para a identificação e o mapeamento desses territórios.

Os indicadores produzidos para acompanhamento das metas globais associadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, por exemplo, demandam o aperfeiçoamento constante da produção de informações sobre esses territórios.

O IBGE, além de ser um ator importante na definição dessas agendas, é o órgão responsável por essa produção para todas as favelas e comunidades urbanas do País, considerando o desafio subjacente à sua diversidade histórico-geográfica.

A partir de 2003, o IBGE já vinha realizando uma série de atividades de consulta para revisão da nomenclatura. Em 2021, houve a formação do GT de Favelas e Comunidades Urbanas para subsidiar o aprimoramento do Censo 2022 em todas as etapas da pesquisa e estruturar um novo processo de consulta para retomar a agenda de reformulação do conceito Aglomerado Subnormal.

Finalmente, em setembro do ano passado, foi realizado o Encontro Nacional de Produção, Análise e Disseminação de Informações sobre as Favelas e Comunidades Urbanas no Brasil.

*Com informações do IBGE

Leia também:

Nova campanha comemora 20 anos do mês da visibilidade trans no Brasil

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Recentes

Leia Também

Mais de 98% dos territórios quilombolas no país estão ameaçados

Levantamento inédito do Instituto Socioambiental (ISA) em parceria com...

País teve 230 mortes de pessoa LGBTI+ em 2023

Em 2023, morreram de forma violenta no país 230...

Papa recebe demandas de adolescentes sobre crises climáticas

Maria Helena Garrido, 17 anos, viveu de perto a...

Greve: governo se reúne com categorias nas universidades

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços...
g