...

Distribuição desigual de morfina prejudica cuidados paliativos declara OMS

A Organização Mundial da Saúde, OMS, fez um alerta sobre a falta de morfina em muitas partes do mundo. No relatório “Deixados para Trás com Dor”, a agência relata que muitas pessoas sofrem de dores que poderiam ser prevenidas, devido à escassez do medicamento. 

O levantamento indica que, anualmente, uma em cada duas mortes no mundo está associada com sofrimentos graves derivados de condições médicas. O uso adequado de morfina pode aliviar essas dores e aumentar a qualidade de vida. 

Duas crises

De acordo com o relatório, o mundo enfrenta duas crises relacionadas aos opioides. A primeira é o uso indevido e indiscriminado, combinado com a ampla disponibilidade de opioides ilícitos e não regulados, como o fentanil. 

A segunda é a falta de acesso a opioides para gerenciamento da dor, especialmente no contexto de cuidados paliativos para pacientes terminais. 

A morfina é considerada o mais alto padrão de tratamento para alívio da dor e integra a lista de medicamentos essenciais da OMS desde 1977. 

Apesar da sua importância, o acesso à droga, no mundo todo, é dificultado por falta de coordenação na cadeia de abastecimento, falta de recursos humanos e desinformação. 

Pessoas em necessidade sem acesso

Outra barreira é a existência de legislações excessivamente restritivas, que tornam a prescrição e a dispensação mais difícil para profissionais de saúde. 

O inquérito da OMS, envolvendo 105 países, chegou nos seguintes dados: 50% dos entrevistados de países de renda baixa afirmaram que 8 em cada 10 pessoas não receberam morfina ou outros opioides apesar de haver necessidade médica.

Já nas nações de renda média-baixa, 18% dos entrevistados relataram este mesmo quadro. O financiamento limitado foi observado em ambos os grupos de países como uma barreira que contribui para o fornecimento irregular de morfina e outros opioides em unidades de saúde.

O estudo conclui que a distribuição global de morfina para uso médico é desigual e não é baseada na necessidade.

“Desigualdade hedionda”

O levantamento revelou que o consumo de morfina, calculado em quantidades de doses diárias, é 63 vezes menor em países de renda baixa, em comparação com países de renda alta. 

Os dados corroboram aqueles do relatório de 2018 da Comissão Lancet, que descreveu a falta de acesso a medicamentos de alívio da dor como “uma das desigualdades mais hediondas e ocultas na saúde global”, com os países mais ricos detendo 90% da distribuição dos opioides equivalentes à morfina. 

A assistente do diretor-geral da OMS para Medicamentos e Produtos de Saúde, Yukiko Nakatani, disse que é necessário agir com urgência para garantir, em todas as partes, “acesso seguro e oportuno à morfina para aqueles com necessidade médica através de políticas balanceadas.” 

Via: news.un.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Recentes

Leia Também

Alerta: uso incorreto de lente de contato cega

Em menos de uma semana a estudante de veterinária,...

Brasil tem, em 6 meses, 6,1 milhões de casos e 4,2 mil mortes por dengue

O Brasil encerrou o primeiro semestre de 2024 com...

Como a tecnologia está revolucionando o atendimento na saúde

Nos últimos anos, a integração da tecnologia na área...
g