sábado, 25 de maio de 2024

Eclipse solar total, cometas e outros principais eventos astronômicos de 2024

Eclipses lunares penumbrais, um eclipse total do Sol, uma série de magníficas chuvas de meteoros, a passagem de dois cometas e belíssimas conjunções planetárias, são algumas das atrações que vão cativar milhões de pessoas ao redor do mundo em 2024.

Se você gosta de astronomia vai curtir conferir o calenário a seguir.

Calendário Astronômico 2024

O principal evento celestial do ano será um eclipse solar total de tirar o fôlego que escurecerá os céus para milhões de observadores em toda a América do Norte, enquanto a Lua cobre completamente o disco solar.

Esse evento ocorrerá no dia 8 de abril e, infelizmente, não será visto do Brasil, pois o caminho da sombra lunar, onde todo o disco do Sol é obscurecido pela Lua, abrangerá apenas o México, Estados Unidos e Canadá.

Porém, espectadores no Brasil poderão testemunhar dois eclipses lunares penumbrais, o primeiro no dia 25 de março e o segundo no dia 17 de setembro. Esse fenômeno ocorre quando a Lua está na região de penumbra da sombra da Terra. Em função disso, a Lua sofre um decréscimo sutil, porém perceptível, em seu brilho.

Passagem de cometas

Em 2024, teremos duas passagens de cometas pelos céus. O primeiro é um cometa gigante, três vezes o tamanho do Monte Everest, chamado 12P/Pons-Brooks, que está viajando rapidamente a caminho do Sistema Solar interior.

O cometa, composto principalmente de gelo, poeira e gás, apresentou um rápido aumento de brilho este ano e é esperado que no mês de março, à medida que ele se aproxima mais do Sol, este brilho continue aumentando significativamente até tornar-se visível a olho nu, no mês de abril.

Uma data interessante estimada para buscá-lo nos céus é o dia 12 de abril, logo após o pôr-do-Sol, quando o cometa parecerá passar perto do brilhante Júpiter, o que o tornará mais fácil de rastrear. Em 21 de abril, o cometa Pons-Brooks atingirá o seu ponto mais próximo do Sol e poderá atingir o seu brilho máximo, proporcionando uma das melhores oportunidades para observação.

O segundo é o cometa A3 Tsuchinshan-ATLAS, avistado pela primeira vez em fevereiro deste ano, que deverá se tornar um avistamento impressionante no final de 2024. No início do inverno no hemisfério sul, ele deverá ser visível no céu noturno, pois sua órbita irá aproximá-lo do Sol e da Terra pela primeira vez em 80.000 anos.

Os astrônomos esperam que possa aumentar de brilho, possivelmente tornando-se visível por meio de binóculos ou mesmo a olho nu, aparecendo baixo no céu oriental antes do nascer do sol nas latitudes meridionais.

Chuvas de meteoros

Logo no início do ano, na noite e madrugada do dia 3 e 4 de janeiro, respectivamente, ocorrerá o pico de atividade da chuva de meteoros Quadrântidas, um evento de porte médio capaz de produzir cerca de 40 meteoros por hora. A chuva é produzida pelos detritos de um cometa extinto chamado de 2003 EH1 e ocorre todos os anos de 1 a 5 de janeiro.

Outra chuva de meteoros média que ocorrerá é chamada de Líridas, produzida por partículas de poeira deixadas pelo cometa C/1861 G1 Thatcher que ocorre sempre entre os dias 16 e 25 de abril. No próximo ano, seu pico de atividades está previsto para acontecer na noite do dia 22 e na manhã do dia 23, onde produzirá até 20 meteoros por hora.

As chuvas de grande porte, contudo, ocorrerão um pouco mais adiante no ano. As Perseidas, uma das melhores chuvas de meteoros para observar, produz até 60 meteoros por hora em seu pico, previsto para os dias 12 e 13 de agosto, e ocorre devido aos detritos deixados pelo cometa Swift-Tuttle.

Já a melhor chuva do ano está prevista para ter seu pico nos dias 13 e 14 de dezembro: as Gemínidas será o principal evento de meteoros do ano e produzirá até 120 meteoros coloridos por hora em seu pico. Ela é originada pelos resquícios deixados pelo asteroide 3200 Phaethon e ocorre todos os anos entre 7 e 17 de dezembro.

Conjunções planetárias

Uma conjunção planetária ocorre quando dois, ou mais planetas aparecem perto um do outro no céu. E o ano de 2024 vamos ter em 20 de abril, a rara conjunção Júpiter-Urano, que acontece a cada 14 anos. As outras conjunções do ano são:

  • 22 de fevereiro de 2024: Vênus-Marte;
  • 21 de março de 2024: Vênus-Saturno;
  • 3 de abril de 2024: Vênus-Netuno;
  • 10 de abril de 2024: Marte-Saturno;
  • 29 de abril de 2024: Marte-Netuno;
  • 31 de maio de 2024: Mercúrio-Urano;
  • 4 de junho de 2024: Júpiter-Mercúrio;
  • 15 de julho de 2024: Marte-Urano;
  • 7 de agosto de 2024: Mercúrio-Vênus;
  • 14 de agosto de 2024: Marte-Júpiter.

*Com informações de TecMundo

Leia também:

Clima: aquecimento acelerado do Ártico revela gravidade da crise climática

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Recentes

Leia Também

g