sábado, 25 de maio de 2024

Pesquisadores que abriram caminho para vacina contra Covid-19 ganham Nobel de Medicina: ‘Salvaram milhões de vidas’

A bioquímica húngara Katalin Kariko e o cientista americano Drew Weissman ganharam o Prêmio Nobel de Medicina pelas suas descobertas na tecnologia do RNA mensageiro que abriram caminho à produção de vacinas contra a Covid-19.

Os dois cientistas foram laureados “pelas descobertas relativas às modificações das bases nucleicas que permitiram o desenvolvimento de vacinas eficazes contra a Covid-19”, anunciou o júri do Instituto Nobel nesta segunda-feira, (02).

“As vacinas salvaram milhões de vidas e preveniram doenças graves em muitas mais”, destacou o órgão.

Pela láurea, os cientistas vão receber 11 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 5 milhões). Os pesquisadores descobriram que o RNA mensageiro com base modificada poderia ser usado para bloquear a ativação de reações inflamatórias e aumentar a produção de proteínas quando é entregue às células.

Eles publicaram os seus resultados num artigo de 2005 que recebeu pouca atenção na época, mas lançou as bases para desenvolvimentos “extremamente importantes que serviram à Humanidade durante a pandemia da Covid-19”, afirmou o Nobel.

Como funciona o RNA mensageiro

Embora alvo de pesquisas há mais de 30 anos, a tecnologia de RNA mensageiro (RNAm) parecia ainda distante de se tornar realidade. Porém, com a pandemia e o investimento nunca antes visto na História das vacinas, vieram duas conquistas inéditas para a área: os primeiros imunizantes com a tecnologia inovadora a serem aprovados e aplicados em larga escala, e a produção de vacinas desenvolvidas em tempo recorde, em menos de um ano.

As altas expectativas que envolvem o RNA mensageiro se dão por alguns fatores. O primeiro deles é a forma de atuação. Basicamente, trata-se de um código com instruções para que as células do corpo produzam determinada proteína.

Pesquisadores de tecnologia mRNA em vacinas ganham Nobel de Medicina — Foto: Reprodução

No caso das vacinas da Covid-19, em vez de o imunizante introduzir o vírus inativado ou uma parte dele para que o sistema imunológico produza as defesas, o RNAm utiliza o próprio organismo como “fábrica” da proteína S do coronavírus, que então é lida pelo corpo para produzir as células de defesa e anticorpos.

Além do amplo potencial, as vacinas de RNAm demonstraram eficácia superior aos modelos convencionais e um potencial para fabricação com menor custo. Isso porque, pela plataforma ser sintética, e não envolver vírus vivos, não exige, por exemplo, um laboratório de biossegurança.

Além disso, podem ser desenvolvidas e adaptadas de forma mais rápida, o que possibilitou que os imunizantes da Covid-19 tivessem os testes clínicos iniciados menos de seis meses após o Sars-CoV-2 ter sido descoberto na China, em 2019.

Nesta semana, o Instituto Nobel anuncia os premiados nas áreas de Física (terça-feira), Química (quarta-feira), Literatura (quinta-feira) e Paz (sexta-feira). O anúncio dos laureados no campo das Ciências Econômicas está marcado para dia 9.

*Com informações do jornal O Globo

Veja também:

Você consegue resolver? Campeonato de cubo mágico vai movimentar Vila Velha

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Recentes

Leia Também

Papa recebe demandas de adolescentes sobre crises climáticas

Maria Helena Garrido, 17 anos, viveu de perto a...

Enem 2024: provas acontecerão em 3 e 10 de novembro

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Crescem manifestações contra Israel em faculdades dos Estados Unidos

Protestos contra Israel encheram as ruas do Brooklyn e...
g