...

Lula cobra agenda positiva de ministros para “virar página” do vandalismo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ampliou a cobrança sobre sua equipe ministerial para que o governo comece a apresentar uma agenda positiva de entregas para os próximos dias. O objetivo do petista é mudar o debate público e dar um tom de normalidade ao país depois dos atos de vandalismo nos prédios dos Poderes da República, no último domingo (8). A ideia é que haja anúncio de medidas econômicas, sociais e obras, associadas a viagens de Lula e a um foco na agenda ambiental.

A principal cobrança está sobre o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de quem Lula cobrou nos últimos dias a entrega de uma agenda voltada para a Economia. Haddad se reuniu na terça-feira (10) com os ministros Rui Costa (Casa Civil), Simone Tebet (Planejamento) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e com os líderes do governo Randolfe Rodrigues (Congresso), Jaques Wagner (Senado) e José Guimarães (Câmara) para ajustar a agenda de anúncios.  Ainda na terça, Lula esteve reunido com Haddad, Rui Costa, Padilha e os líderes do governo para discutir o pacote de medidas no Palácio do Planalto .

“Haverá anuncio nesta semana. Já temos reuniões marcadas pra discutir essas medidas, e haverá sim esta semana anúncio de medidas no âmbito da economia e da gestão”, disse Rui Costa após a agenda com Lula.

O primeiro pacote a ser apresentada por Haddad é o que visa reduzir o rombo nas contas públicas. O anúncio está agendado para a tarde desta quinta-feira (12). Há cerca de uma semana, o ministro da Fazenda recebeu da equipe técnica da pasta uma lista de medidas com as quais seria possível fazer um ajuste fiscal de até R$ 223 bilhões neste ano, o equivalente a 2% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Não aceitaremos um resultado primário que não seja melhor do que os absurdos R$ 220 bilhões de déficit previstos no Orçamento para 2023”, afirmou Haddad ao assumir a pasta da Fazenda. Com a medida, o governo visa no curto prazo reduzir a projeção de déficit previsto para este ano, fixado em R$ 231 bilhões, de acordo com o Orçamento aprovado pelo Congresso Nacional.

Programa de renegociação de dívidas vai entrar na agenda da economia

Outra medida que está na lista de prioridades para ser apresentada nos próximos dias é o “Desenrola”, programa que vai renegociar dívidas dos brasileiros. A proposta foi uma das promessas de campanha de Lula. 

Até o momento, ainda não está claro quem vai operá-lo, se haverá um teto de juros e exatamente quais tipos de crédito serão incluídos. Na semana passada, o ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Wellington Dias, informou que os endividados com consignado do Auxílio Brasil serão atendidos no programa.

Durante a campanha, o então presidente Jair Bolsonaro (PL) liberou que beneficiários do Auxílio Brasil fizessem empréstimos com o programa social como garantia de pagamento. A estimativa é de que ao menos 3,5 milhões de pessoas contrataram um total de R$ 9,5 bilhões de empréstimo até o final do ano passado. 

“É grave o problema dos endividados do Auxílio Brasil ou do Bolsa Família, o chamado consignado. O programa foi usado, no período de eleição, com objetivos claramente eleitorais. Essas pessoas precisam de um auxílio não só para regularizar a vida, mas são importantes também como fator econômico. É essencial trazer essas pessoas de volta para a economia”, explicou o ministro do Desenvolvimento Social.

Casa Civil reúne lista de prioridades para montar agenda de viagens de Lula 

Em outra frente, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, está reunindo nesta semana com os demais ministros no intuito de levantar as listas de prioridades e de programas de cada pasta. O objetivo é montar uma agenda de viagens para que Lula possa anunciar ainda neste mês programas ou obras em ao menos dois estados. 

A Casa Civil tem feito o monitoramento das ações em curso nos ministérios. Lula cobrou durante a reunião ministerial da semana passada “um ritmo acelerado de entregas e de ações de governo”. Nesta semana, Rui Costa esteve no Ministério da Saúde para levantamento do planejamento da pasta. O ministro pretende ainda nesta semana passar pelas pastas da Educação e do Desenvolvimento Social.

“A meta de mais curto prazo é que ele quer, já em janeiro, antes da viagem à Argentina, fazer duas viagens a estados para já inaugurar ou dar início a programas”, disse Costa. As principais áreas seriam habitação, educação e saúde.

O petista irá à Argentina para cúpula de países latino-americanos e para uma reunião com o presidente Alberto Fernández em 24 de janeiro. E a agenda internacional e as viagens internas passariam uma imagem de normalidade ao país após as invasões às sedes dos três Poderes.

Lula quer destaque para a pauta ambiental com candidatura de Belém para sediar a COP-30 

Ainda na estratégia de esvaziar a pauta sobre as invasões em Brasília, Lula anunciou na quarta-feira (11) que o governo decidiu lançar a capital do Pará, Belém, como candidata brasileira à cidade-sede da Conferência do Clima (COP) de 2025. Desde o ano passado, Lula tem defendido a realização do evento sobre clima na região amazônica. 

“Estou aqui com o companheiro Helder [Barbalho, governador do Pará] parabenizando ele pelos 407 anos que completa amanhã a cidade de Belém e dando a boa notícia a ele que o Itamaraty formalizou a cidade de Belém como a cidade que está disputando a candidatura para realizar a COP 30 em Belém”, afirmou Lula em vídeo divulgado na quarta (11) numa rede social.

A avaliação de integrantes do governo é de que o movimento de Lula vai ampliar a atenção dos demais países para o Brasil neste momento político. O presidente tem apostado na agenda ambiental como forma de atrair investimentos para o Brasil ao longo do seu mandato.

“O presidente demonstrou preocupação e necessidade do chamamento do mercado para efetivamente estabelecer que o mercado de crédito de carbono possa ser uma realidade para a preservação florestal e componha um novo modelo, transformando floresta em pé com a precificação da tonelada de carbono capturado. Para que nós possamos transformar a floresta em pé em uma nova commodity nacional e internacional”, disse Barbalho após seu encontro com Lula. “A partir daí, conciliar a preocupação e o compromisso do Brasil com a Floresta viva, mas ao mesmo tempo construindo o desenvolvimento social dos 29,6 milhões de brasileiros que moram na Amazônia”, completou.

O mercado de crédito de carbono funciona da seguinte forma: empresas de qualquer país que não conseguem reduzir suas emissões de gás carbônico (CO2), causador do efeito estufa, podem “comprar” o direito de manter esses níveis de poluição por meio dos créditos de carbono. Por sua vez, o dinheiro é repassado para quem preserva áreas verdes – plantas “sequestram” o gás carbônico da atmosfera ao crescer. Como o Brasil ainda tem grandes extensões de áreas preservadas, será beneficiado com o mercado de créditos de carbono.

Via: https://www.gazetadopovo.com.br/republica/lula-cobra-agenda-positiva-de-ministros-para-virar-pagina-do-vandalismo-em-brasilia/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Recentes

Leia Também

Após ameaças da extrema direita Maria da Penha recebe proteção

Maria da Penha Maia Fernandes está recebendo proteção especial...

Taxação de compras internacionais de até US$ 50 é aprovada no Senado

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (4) o...

Hoje é o prazo final para regularizar ou transferir título de eleitor

Hoje, quarta-feira (8), é o último dia para regularizar...
g