sábado, 18 de maio de 2024

Brasil registra 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023; diz ONG

O Brasil registro em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ mortas de forma violenta. O dado foi divulgado no sábado (20), pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), a mais antiga organização não governamental (ONG) LGBT da América Latina.

Segundo o levantamento, o número indica que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu a vida de forma violenta no país, que se manteve no posto de mais homotransfóbico do mundo em 2023.

O trabalho da ONG com relação as mortes por homicídio e suicídio da população LGBTQIA+ já é feito há 44 anos. Toda a coleta de dados é realizada por meio de notícias, pesquisas na internet e informações obtidas com parentes das vítimas.

De acordo com a ONG, o número da população LGBTQIA+ pode ser ainda maior, já que 20 mortes estão sob apuração, o que poderia elevar esse número para até 277 casos.

Do total de mortes registradas pelo Grupo Gay da Bahia, 127 se referiam a pessoas travestis e transgêneros, 118 eram gays, nove foram identificadas como lésbicas e três, como bissexuais. No Brasil, Travestis e transexuais representam por volta de 1 milhão de pessoas e os gays representam 10% da população brasileira, cerca de 20 ou 22 milhões de pessoas, ressalta a ONG.

O relatório ainda que 67% das vítimas eram jovens que tinham entre 19 e 45 anos quando sofreram a morte violenta. O mais jovem deles tinha apenas 13 anos e foi morto em Sinop, Mato Grosso, após uma tentativa de estupro.

Dentre essas mortes, 204 casos se referiam a homicídios e 17 a latrocínios. O Grupo Gay da Bahia também contabilizou 20 suicídios, seis a mais do que foram registrados em 2022.

Quanto ao local da violência, 29,5% das vítimas morreram em sua residência, mas uma em cada quatro pessoas (40%) LGBT morreram nas ruas ou espaços externos.

Regiões

Outro dado que o Grupo Gay da Bahia considera alarmante é que a maior parte das mortes ocorreu na Região Sudeste. Foi a primeira vez, em 44 anos, que o Sudeste assumiu a posição de região mais impactada, com registro de 100 casos.

A Região Nordeste apareceu na segunda posição, com 94 mortes. Na sequência, vieram as regiões Sul, com 24 óbitos, Centro-Oeste, com 22, e Norte, com 17.

Os estados que mais concentraram mortes violentas da população LGBT no ano passado foram: São Paulo, com 34 mortes; Minas Gerais, com 30; Rio de Janeiro, com 28; Bahia, com 22; e Ceará, com 21.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Serra promove mutirão de mudança de documentos para pessoas trans

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Recentes

Leia Também

Mais de 98% dos territórios quilombolas no país estão ameaçados

Levantamento inédito do Instituto Socioambiental (ISA) em parceria com...

País teve 230 mortes de pessoa LGBTI+ em 2023

Em 2023, morreram de forma violenta no país 230...

Papa recebe demandas de adolescentes sobre crises climáticas

Maria Helena Garrido, 17 anos, viveu de perto a...

Greve: governo se reúne com categorias nas universidades

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços...
g