...

INSS pode revisar e cancelar benefícios após dez anos de concessão

Uma resolução do Conselho de Recursos da Previdência Social (CRPS) publicada recentemente no Diário Oficial da União (DOU) estabelece que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) terá a possibilidade de revisar e cancelar benefícios por incapacidade e assistenciais mesmo após dez anos de sua concessão. O objetivo dessa medida é padronizar as regras para os recursos apresentados ao conselho.

A resolução abrange a revisão e corte de pagamentos de aposentadoria por invalidez, atualmente denominada aposentadoria por incapacidade permanente, bem como auxílio-doença. Esses benefícios são considerados auxílios por incapacidade temporária e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), estando sujeitos a revisões periódicas previstas em lei.

Contudo, existem exceções em que o INSS não poderá interromper o benefício. Nos casos em que a má-fé na concessão for comprovada, o corte pode ocorrer a qualquer momento, conforme previsto na resolução.

Adriane Bramante, advogada e presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), afirma que o INSS já vinha aplicando esse entendimento em processos administrativos. A resolução, segundo ela, apenas alinha o enunciado às posições já consolidadas administrativa e judicialmente.

O advogado especialista em Previdência, Rômulo Saraiva, também enfatiza que a resolução reflete um entendimento já estabelecido administrativamente. Isso se aplica a benefícios em que o segurado pode receber alta médica mesmo após muitos anos, como no caso da aposentadoria por invalidez e do auxílio-doença.

Para Saraiva, a razão de permitir o corte após dez anos é que esses benefícios podem ser alterados ao longo do tempo. Devido ao avanço da medicina, a condição do beneficiário pode mudar, tornando o benefício desnecessário.

A resolução também determina que o benefício não poderá ser cortado caso o segurado não possua mais a documentação apresentada na data da concessão, desde que essa data tenha mais de dez anos. A exceção ocorre quando fraudes ou má-fé são comprovadas.

Para evitar a perda do benefício, o segurado convocado pelo INSS para revisão deve atender prontamente às solicitações do órgão, apresentando os documentos e laudos médicos necessários. Em casos de benefícios por incapacidade, é importante agendar uma perícia médica e não faltar no dia marcado.

Além disso, é fundamental apresentar laudos médicos e exames atualizados que comprovem a incapacidade para o trabalho. Aqueles que obtiveram a concessão judicial devem levar ao perito do INSS uma cópia do processo e comprovar a impossibilidade de retornar ao mercado de trabalho, se aplicável. Com informações da Folha de S. Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Recentes

Leia Também

Ministério dos Direitos Humanos investe em ações para população LGBTQIA+

O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania detalhou,...

Mega-Sena: prêmio acumulado vai a R$ 80 milhões

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.730 da...

Segundo a Unicef menstruação segura ainda é desafio no Brasil

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a...

Concurso da Caixa: local de prova está disponível para os candidatos

Os candidatos do concurso Caixa Econômica Federal 2024 já...
g