...

“Drex”: Entenda o que é e como funcionará a nova moeda digital

O Banco Central (BC) do Brasil deu mais um passo significativo em direção à concretização da sua versão digital da moeda nacional. O aguardado anúncio feito nesta segunda-feira (7) revelou que a moeda digital brasileira será denominada “Drex”.

Com a fase de testes em curso desde março e as primeiras simulações de operações previstas para setembro, o real digital visa expandir as oportunidades de negócios e fomentar a inclusão financeira, proporcionando um ambiente seguro com riscos mínimos de fraude.

Segundo o BC, a proposta é que o Drex seja utilizado no cenário de serviços financeiros em larga escala, desempenhando um papel similar ao Pix, o sistema de transferências instantâneas em vigor desde 2020. Ele será empregado para transações de grande montante e com diferentes propósitos. Os consumidores precisarão converter reais em Drex para enviar dinheiro e fazer o inverso para receber fundos.

Drex: A Moeda Digital Brasileira

O Drex, também conhecido como real digital, funcionará como uma forma eletrônica de papel-moeda, embasada na tecnologia blockchain, a mesma utilizada pelas criptomoedas. Enquadrado na categoria de Moeda Digital de Banco Central (CBDC, em inglês), essa ferramenta terá seu valor garantido pela autoridade monetária, sendo que cada R$1 será equivalente a 1 Drex.

O blockchain, uma estrutura à prova de invasões, é descrito como um tipo de banco de dados ou livro-razão, onde dados são inseridos e transmitidos com segurança, rapidez e transparência. Livre de um órgão central de controle, essa tecnologia opera como uma cadeia de blocos criptografados, com cada elo fechado após um certo período de tempo. A imutabilidade dos blocos é assegurada por senhas criptografadas, impedindo alterações ou remoções de informações.

Diferenças em comparação com outras criptomoedas

Distanciando-se das criptomoedas convencionais, cujo valor flutua com base na lei da oferta e demanda, e pode sofrer variações acentuadas em curtos intervalos, o CBDC oscila de acordo com as taxas diárias de câmbio estabelecidas pelos fundamentos e políticas econômicas de cada nação. Vale ressaltar que a flutuação cambial do Drex só terá impacto em operações entre países distintos. No contexto doméstico, o Drex manterá a paridade com o papel-moeda.

Outra diferença marcante é o método de produção. Enquanto criptomoedas como Bitcoin e Ethereum podem ser “mineradas” por meio da resolução de algoritmos em computadores, consumindo considerável energia, o Drex será emitido pelo Banco Central, com paridade em relação ao real.

Drex vs. Pix: distinções e funcionalidades

Embora possa ser considerado como um parente próximo do Pix, devido à possibilidade de permitir pagamentos instantâneos entre diferentes instituições financeiras, o Drex funcionará de maneira distinta. No Pix, a transferência ocorre em reais, obedecendo a limites de segurança definidos pelo Banco Central e pelas instituições financeiras. Já o Drex utilizará a tecnologia blockchain, a mesma das criptomoedas, para processar suas transações, permitindo valores mais elevados para transferências.

Ampla gama de serviços com o Drex

Uma variedade de serviços financeiros poderá ser conduzida através do Drex, incluindo transferências, pagamentos e até mesmo aquisição de títulos públicos. Consórcios autorizados pelo Banco Central terão a liberdade de desenvolver ainda mais possibilidades, como a capacidade de efetuar pagamentos instantâneos para parcelas de imóveis, veículos e benefícios sociais. Isso foi anunciado por um consórcio composto pela Caixa Econômica Federal, Microsoft do Brasil e a bandeira de cartões de crédito Elo.

O Drex também viabilizará a implementação de contratos inteligentes. Por exemplo, em uma venda de veículo, não haverá mais debates sobre quem deve efetuar o depósito ou transferir os documentos primeiro. Todo o processo será automatizado, ocorrendo instantaneamente e reduzindo os custos administrativos, intermediários e agilizando as operações.

Acesso e implementação

O acesso direto ao Drex para os consumidores está previsto para o final de 2024 ou início de 2025. No entanto, ele será utilizado principalmente em um âmbito atacadista, sendo trocado entre instituições financeiras. Os clientes poderão operar com a moeda digital, mas através de carteiras virtuais, não tendo acesso direto à mesma.

O processo se dará da seguinte forma: os clientes, sejam indivíduos ou empresas, depositarão a quantia desejada em reais em uma carteira virtual. Esta, então, converterá a moeda física em Drex, seguindo a taxa de câmbio de R$1 para 1 Drex. Essas carteiras serão operadas por bancos, fintechs, cooperativas, corretoras e outras instituições financeiras, sob a supervisão do Banco Central. A evolução tecnológica possibilitará a criação de novos tipos de empresas com carteira virtual.

Após a tokenização, que é a conversão de um ativo real em ativo digital, o cliente poderá transferir a moeda digital usando a tecnologia blockchain. O destinatário será responsável por converter os Drex em reais e realizar o saque.

Testes

O Banco Central selecionou a plataforma Hyperledger Besu para conduzir os testes com diversos tipos e naturezas de ativos desde março. Essa plataforma se destaca por operar com código aberto (open source), o que contribui para baixos custos de licenciamento e royalties de tecnologia. Com informações da Agência Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Recentes

Leia Também

Ministério dos Direitos Humanos investe em ações para população LGBTQIA+

O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania detalhou,...

Mega-Sena: prêmio acumulado vai a R$ 80 milhões

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.730 da...

Segundo a Unicef menstruação segura ainda é desafio no Brasil

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a...

Concurso da Caixa: local de prova está disponível para os candidatos

Os candidatos do concurso Caixa Econômica Federal 2024 já...
g